5 ferramentas que um software para peticionar deve conter

4 minutos para leitura

 

Ter um software para peticionar é mais do que incluir o escritório na era da tecnologia e inovação. Significa a melhoria de processos com o peticionamento automatizado, o ganho de agilidade e mais tempo para as atividades intelectuais da prática advocatícia que, às vezes, ficam para depois, frente ao volume de petições que os advogados precisam elaborar e enviar para os Tribunais.

As vantagens falam por si. Ainda assim, vamos desenhar um cenário de quando não existia um software para peticionamento eletrônico unificado para auxiliar os advogados no envio de petições iniciais para os Tribunais:

  1. O advogado coletava todas as evidências necessárias para dar início ao processo;
  2. Elaborava a peça jurídica;
  3. Imprimia a petição inicial;
  4. Assinava o documento de próprio punho;
  5. Colocava a petição em uma pasta com elásticos ou na própria bolsa;
  6. Saía do escritório;
  7. Pegava o carro, chamava o táxi ou ia a pé até a vara em que o caso daria entrada;
  8. Protocolava a petição inicial;
  9. Aguardava a emissão do recibo;
  10. Retornava para o escritório ou para casa para recomeçar.

Era muita coisa a ser feita! Além disso, dependendo da situação, era preciso ficar o dia todo atendendo a uma única petição. A possibilidade de fazer o peticionamento automatizado alterou essa rotina consideravelmente. Agora, tudo o que o advogado precisa fazer é:

  1. Coletar todas as evidências necessárias para dar início ao processo;
  2. Elaborar a peça jurídica;
  3. Acessar o PeticionaMais;
  4. Fazer o upload do documento;
  5. Assinar a petição com o certificado digital;
  6. Enviar a petição para o Tribunal;
  7. Aguardar a confirmação da homologação.

O advogado faz tudo isso sem precisar sair do escritório! Não é preciso:

  1. Imprimir o documento;
  2. Sair do trabalho;
  3. Enfrentar o trânsito;
  4. Esperar na fila do Protocolo;
  5. Enfrentar o trânsito mais uma vez.

Quanto tempo o advogado pode economizar deixando de ter de obter o documento físico, ir até o Tribunal, aguardar atendimento e retornar? Provavelmente, tempo suficiente para poder dedicar-se ao networking, por exemplo, importante para a obtenção de novos clientes. Ou ao marketing, para poder gerar um posicionamento melhor do escritório no mercado jurídico.

Há muito o que fazer com esse tempo, desde que o software para peticionar detenha todas as ferramentas necessárias para o advogado realmente ganhar disponibilidade para realizar outras ações. Uma boa lista pode ajudar nessa conferência.

Itens que não podem faltar em um software para peticionar

1. Atender a diferentes petições

Um software para peticionamento eletrônico unificado precisa enviar tanto petições iniciais quanto petições intermediárias. Caso não atenda a esse tópico, contratar uma solução de peticionamento automatizado pode ser uma decisão equivocada, pois ela atenderá a somente parte da necessidade do escritório de advocacia.

Uma plataforma desenvolvida para realizar o peticionamento de diferentes tipos de peças jurídicas é mais resolutiva para os advogados que terão de utilizar a ferramenta diariamente.

2. Estar integrada a dezenas de Tribunais

É de ciência do advogado que os Tribunais possuem regras diferentes para o envio de petições eletrônicas. Isso se deve aos múltiplos sistemas que são utilizados pelo Judiciário para o gerenciamento dos processos eletrônicos. Há ausência de uma política de integração entre os sistemas.

Por isso, a plataforma de peticionamento automatizado que não estiver em conformidade com todas essas determinações e não eliminar a preocupação com navegadores, plugins e afins, segue dificultando a rotina de envio de petições do escritório de advocacia. Quase da mesma maneira que acontecia quando o escritório não possuía um software para peticionar.

O PeticionaMais é compatível com a maioria dos Tribunais brasileiros: Justiça do Trabalho, Justiça Federal e Justiça Estadual. Todos eles convergem para uma base única, para que o advogado precise acessar apenas a plataforma para dar continuidade ao seu trabalho, de forma bem simples.

3. Reduzir a complexidade dos sistemas de peticionamento automatizado

Para enviar a petição eletronicamente para um determinado Tribunal, o advogado que faz isso diretamente, precisa ter o navegador certo instalado (pois alguns só podem ser acessados pelo Explorer, por exemplo,) e configurar o Java no computador, para citar apenas alguns pequenos exemplos.

Fazer isso toma tempo. Afinal, pode ser que as instalações e configurações não funcionem da primeira vez e tudo precise ser refeito. Portanto, diversas situações podem ocorrer. E até que tudo esteja adequado para o uso, o tempo passa e as atividades vão se acumulando.

Um software para peticionamento eletrônico elimina todas essas questões. Qualquer navegador pode ser usado para acessar o PeticionaMais. Nenhuma outra configuração é exigida, ou seja, o computador pode permanecer com as especificações que já detém. Sendo assim, não há mais vários sistemas em que pensar, nem diferentes regras de peticionamento para se lembrar. O advogado poderá peticionar de qualquer forma que o PeticionaMais fará a maior parte do trabalho burocrático por ele.

4. Ajustar os documentos automaticamente

Outra exigência dos Tribunais é para que as peças jurídicas estejam na extensão de arquivo e organizadas da forma solicitada por cada um deles. Sem que a peça esteja adequada, não há como enviá-la. Mediante essa situação, o que o advogado se obriga a fazer é permanecer trabalhando na peça jurídica até que ela esteja apta para ser encaminhada ao Tribunal.

Essa adequação pode ser automatizada. O PeticionaMais, por exemplo, realiza essa adaptação para o advogado. Tudo o que ele precisa fazer é redigir a petição inicial no editor de texto que preferir, salvar o arquivo no formato PDF e fazer o upload do documento dentro da plataforma, indicando qual é o Tribunal de destino.

5. Possuir robôs para servir de “office boy”

Nada seria possível de se realizar no PeticionaMais sem os robôs para desempenhar o papel de estagiário ou office boy. É porque ão os robôs que recebem o arquivo PDF, entendem para qual Tribunal levar a petição e adequam a peça jurídica antes de “sair” para a entrega. Desse modo, os robôs fazem o que os advogados faziam antigamente, quando deslocavam-se até os fóruns. Entretanto, a ação deles é eletrônica. Os robôs conduzem os documentos até os Tribunais e retornam com o protocolo do processo.

A economia de tempo e de recursos gerada pelo software para peticionamento eletrônico faz com que uma grande parte dos escritórios de advocacia do Brasil utilizem o peticionamento automatizado para ganhar tempo.

Em uma demonstração é possível ver todas essas ferramentas na ativa. Agende a sua para entender tudo o que o PeticionaMais pode gerar de novas oportunidades para o escritório de advocacia.



Diane Ziemann
Author: Diane Ziemann
É formada em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Tem experiência em redações e agências do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Já trabalhou como repórter, editora e assessora de imprensa. Atualmente, é produtora de conteúdo da área de Inovação, na Unidade de Justiça da Softplan.

Deixe uma resposta