Como funcionam os grandes escritórios de advocacia

Entender como funcionam os grandes escritórios de advocacia é um desejo de todo negócio jurídico que um dia espera chegar lá. Também, é compreensível. Alguns desses escritórios faturam para além da casa dos R$ 2 bilhões por ano. Com esse montante, conseguem remunerar os advogados com salários superiores a R$ 50 mil. Uma realidade vivenciada por poucos. Mas, desejada por muitos. Qual é o segredo de tanto sucesso?

Ao pensar nos grandes escritórios, muitos profissionais de advocacia olham para eles como são hoje. Entretanto, nem sempre esses escritórios detiveram a estrutura e o faturamento observados hoje. Todos eles iniciaram como negócios pequenos. No mínimo, de menor porte. Da mesma maneira, seus fundadores eram advogados ainda sem ou com pouca experiência. Mas que souberam olhar para as oportunidades e evoluir no mercado jurídico.

Na verdade, é essa trajetória que precisa ser estudada para entender como funcionam os grandes escritórios de advocacia. Isso facilita o entendimento sobre os processos gerenciais que detêm agora e que muitos outros escritórios, até de menor porte, buscam implantar. A questão é que nem sempre o que funciona para um grande escritório servirá para um negócio jurídico no início ou com pouco tempo de fundação.

O segredo é conhecer as próprias possibilidades e dar um passo de cada vez. Os principais a serem dados estão reunidos neste conteúdo.

Passos para entender como funcionam os grandes escritórios de advocacia

1. Espírito empreendedor

Algo em comum entre todos os escritórios de advocacia que despertam a admiração dos demais é a veia empreendedora do advogado. Além da disposição para assumir riscos e a competência técnica.

Esses profissionais são os que souberam unir os conhecimentos jurídicos com áreas que pouco contato tiveram nos bancos das faculdades de Direito. Mas que souberam desenvolver em paralelo para maximizar seus resultados.

Cada escritório, ou melhor, cada advogado e gestor do próprio negócio, a sua época, soube criar ou aproveitar as soluções inovadoras capazes de levá-los adiante e para cima na curva do crescimento.

Portanto, para desenvolver seu espírito empreendedor, além do especial tino para os negócios que só pertencem a alguns, os líderes dos grandes escritórios de advocacia investiram no próprio treinamento e no de outras pessoas, chaves para o negócio. Não significa, necessariamente, que voltaram à Academia, embora grande parte deles o tenha feito. E sim que dedicaram-se a aprender quanto possível, por meio de livros e outros empreendedores, os caminhos a percorrer e por quais não prosseguir, em um exercício de observação.

2. Competência para a gestão

Essa é outra característica do advogado fundador de um grande escritório de advocacia. Os que pouco detinham essa competência, souberam delegar no momento certo, para a pessoa correta, as gerências necessárias para conduzir o escritório de advocacia pelo caminho do sucesso.

Afinal, por mais que haja uma supressão desse conceito, ou um certo receio de admiti-lo, todo escritório de advocacia precisa ser administrado tal qual uma empresa, com o máximo de profissionalismo, sem desconsiderar as questões éticas.

3. Habilidades de relacionamento

A advocacia é uma ciência social criada para estabelecer certa ordem nas relações sociais, entre outros propósitos. Sendo assim, ela se fundamenta em um pilar sem o qual não se sustentaria: a sociedade, formada por seus cidadão. Ou seja, nas pessoas que querem e precisam ter acesso à Justiça e seus Direitos garantidos. O profissional do Direito que escolhe advogar é como uma ponte, nesse contexto, que permite às pessoas compreender como acessar o que lhe é garantido. Por essa razão, trânsita em diversas esferas e classes sociais.

De um lado, o advogado tem o cliente. Do outro, os servidores dos Tribunais e os próprios Juízes. Para poder equilibrar essa balança, atender as expectativas de todos, mantendo um padrão de excelência de relacionamento interpessoal em ambas as pontas, é essencial que detenha habilidades de relacionamento. Elas são importantes, inclusive, para o fortalecimento das redes de contato, o conhecido networking.

4. Estratégias de marketing

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) restringe determinadas iniciativas de marketing na Resolução N. 02/2015. Nem por isso, os grandes escritórios de advocacia se furtaram a utilizar as estratégias de marketing possíveis para gerar notoriedade ao nome e à marca do escritório.

No momento em que identificam a necessidade de usar o marketing para ter visibilidade, os escritórios de advocacia podem valer-se de dispositivos da resolução que permitem, por exemplo, “a divulgação de boletins, por meio físico ou eletrônico, sobre matéria cultural de interesse dos advogados, desde que sua circulação fique adstrita a clientes e a interessados do meio jurídico.”

Enfim, somente esses quatro passos podem parecer poucos frente a como funcionam os grandes escritórios de advocacia. Entretanto, são os que estão na base de qualquer negócio jurídico. Para iniciar ou continuar andando nesse caminho, toda ajuda é bem-vinda. No eBook Manual da gestão financeira para o escritório de advocacia estão algumas informações que podem facilitar o trajeto.



Diane Ziemann
Author: Diane Ziemann
É formada em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Tem experiência em redações e agências do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Já trabalhou como repórter, editora e assessora de imprensa. Atualmente, é produtora de conteúdo da área de Inovação, na Unidade de Justiça da Softplan.

Deixe seu comentário


shares